quarta-feira, 27 de maio de 2015

Arrebatar

Olhos que parecem sempre carregar um sofrimento muito antigo
Como se estivessem cansados do que testemunharam, por eras a fio, sem descansar
Pousam sobre eles sobrancelhas arqueadas para baixo
Como se pedisse algo - como se fosse urgente.

São olhos claros que dizem tanta coisa!
Que sussurram e me perguntam por significados profundos
Que não conheço ou que não consigo formular.
Me rondam em sonhos, no fim do dia,
me questionando, fazendo parar.

Creio estar apaixonada por esses olhos
Que me olham e me transpassam
Decifram quando menos quero e espero ser compreendida
Mesmo quando formo tempestades ao redor
E para os outros permaneço desconhecida.

Você e seus olhos me atravessam.
E eu já começo a parar de relutar.
Estou cansada de lutar contra mim mesma.

E não há força que tire seus olhos da minha cabeça.

quarta-feira, 6 de maio de 2015

a volta dos manifestos

eu estou sozinha
eu gosto de estar sozinha
eu
sou
sozinha
eu sou sozinha a a

flutuando na calçada
neblina
compondo no ônibus
sentindo vento frio
o outono
inverno
estou em que estação?

me pego fazendo caras estranhas
bons e velhos tempos

eu te amo
eu sou aquela por quem você se apaixonou
visitando velhos lugares pelos quais eu era apaixonada
pensamentos em turbilhão que agora esqueci
não gravei
não gravei não gravei

eu não sei
eu não quero
quero largar tudo
quero agarrar o mundo
quero cantar
cantar
tocar as teclas
estou estou estou
eu.

domingo, 3 de maio de 2015

momento indeciso

onde está onde sou onde era onde soo onde voo

onde onde onde

manias de querer saber
manias de não sentir
poesia experimental
ou só experimentando ser
não sei bem onde começa
muito menos como termina

se termina...

quantas bobagens nesse dia de amanhecer estendido
como se o segundo em que o sol se escondeu derradeiramente
se sustentasse por horas e horas e horas

aquele momento indeciso do dia
aquele momento indeciso da vida
aquele momento indeciso e vazio.

difícil ser

odeio gente
odeio o jeito como ainda me importo com você ou com o que você faz
preciso sumir

é difícil lidar com isso e eu acho que não vamos nos curar
provavelmente ainda estarei aqui

os sons do meu corpo
sem fazer sentido
querendo ficar quieta e afundar em neblina

sozinha
sozinha
sozinha
onde não machuco ninguém
"vá com a outra garota, vá com a outra garota."

queria apenas que eu mesma fosse embora
é difícil lidar com a saudade
é difícil lutar comigo mesma
é difícil ser

sem você.