sábado, 27 de julho de 2013

Maldição

Cruza meu caminho,
e eu apodreço seu organismo por dentro.
Não tenho dúvidas ao dizer que faço o vento tremer folhas de árvores.
Quando seu sangue secar dentro das veias
e suas entranhas virarem pedra,
estarei sorrindo, tecendo teias de desespero.
Não tenho medo de dizer que sou perversa.

0 comentários:

Postar um comentário