sábado, 6 de abril de 2013

Manifestos de Menina #12

"Eu vou despedaçar você todas as vezes que eu lembrar por onde você já andou sem mim."
Priscilla Novaes Leone (Pitty)

Mas eu o faria com carinho.
Você perguntou como eu mataria alguém.
Eu respondi que não mataria
quando na verdade,
respondi mentalmente que o faria com ácido.
Ou veneno, mas um que fosse doloroso.
Depois eu me corrigi, e disse que dependia.

Porque nada me faria matar,
que não fosse você ou a gente ou eles.

Pensei em todas as histórias suas
que vieram antes de mim.
E quis fazer parte delas.
Mesmo me dando conta de que,
se isso acontecesse,
provavelmente eu não faria parte
do resto de sua vida.

Eu não consigo pensar em mim
desligada de você.

Te despedaço mentalmente
quando te vejo longe.
Me calo por não querer te interromper
lá onde meus braços não te alcançam.
Acho que é normal e vou pra cozinha
e logo você vem, me abraça
e volta tudo ao normal.

Minhas mãos molhadas de espuma e
as suas nos meus quadris.

Posso divisar todos os nossos horizontes
passados e futuros
todo dia acrescentando uma paisagem nova.
É provável que a vida os modifique,
mas o principal sempre estará lá
eu e você, juntos, rindo, chorando
e por vezes nos desentendendo:

Eu não sou igual a você
e você não é igual a mim.

Por isso somos tão bonitos.
Porque o mar me dá medo mas não com você.
Porque eu odeio calor, mas contigo tudo fica lindo
até dor de cabeça, porque você me coloca na cama
me acalma e eu me afogo em ti.
Não me importa que eu não conheça o mundo como você.
Se eu tenho todo um outro mundo pra mostrar, todo dia.

É lindo como eu posso te despedaçar e te reconstruir todo dia.
Na minha cabeça, apaixonadamente, nos mínimos detalhes.





- Eu te amo.

0 comentários:

Postar um comentário