segunda-feira, 14 de janeiro de 2013

Eu pararia de escrever

No silêncio do meu quarto
espero você chegar pra ligar o computador.
Quando você não está, não faz sentido usá-lo.
E eu fico desesperada com qualquer vestígio do que possa ser irritação ou raiva
vindo de você.
Não sei lidar com isso.
Ainda não sei o que te irrita.
E odeio a idéia de te decepcionar.

Anteontem eu fiz o mesmo.
Não soube agir diante de uma possibilidade de ter te decepcionado.
Frustração me irrita e eu bato portas,
caem lágrimas, me desespero.
Por que existem essas falhas?
Tento remendar todas as falhas do meu comportamento.
Eu sinto como se fosse culpada por tudo.
Por que é tão difícil ignorar isso?

Sinto pressão por todos os lados.
Talvez esteja só na minha cabeça.
Não há nada errado com a gente.
Só queria deitar por horas em silêncio do teu lado...
Pensamentos estranhos me ocorrem vira e mexe.
Me esforço por não deixá-los vir à tona.
E me odeio por estar escrevendo sobre essas coisas ruins.
Eu deveria escrever sobre as coisas boas.

Pra você não faz sentido.
Essa talvez seja a pior e mais desesperadora diferença entre nós.
Essa minha inclinação à melancolia,
ao desespero e a temer estar sempre errada, fazendo coisas erradas.
Esse medo de errar.
O que posso fazer se nunca fiz isso antes?
Eu não sei o que é uma briga de verdade.

Odeio quando essas idéias doentes me envolvem.
Odeio quando simplesmente não sobrevivo a mim mesma.
Odeio perder o controle, odeio que isso se alastre e invada nossa paz.
Odeio infectar tua mente com minhas lágrimas.
Odeio, odeio, odeio tudo que vem de mim e nos coloca em perigo.
Sei que você se chateia quando eu espero reações recriminadoras de ti.
Estou ouvindo a mesma música pela terceira vez
E acho que essa não será a última.

Queria apagar todas as situações embaraçosas que já criei.
Queria apagar todas as noites desperdiçadas de nossa memória.
Queria apagar todos os choros do passado que ainda me atormentam,
ainda que menos frequentemente.
Queria não ser assim.
Só escrevo bem poesia quando estou triste ou confusa, ou me sentindo um lixo.
Preferiria parar de escrever.
Daria tudo para parar de escrever ou desenhar, se isso significasse parar de ser assim.