sexta-feira, 4 de fevereiro de 2011

De vento pela Ana Terra –
“Sempre que me acontece algo importante, está ventando”.
Folhas, sim, por minha paixão por elas.

A baunilha vem dos meus cabelos;
A canela vem da minha língua.
E o café da xícara mesmo.

2 comentários:

Poeta do Exílio disse...

Que sensibilidade teve ao remover aquele maldito fundo preto que me fode a visão.

Ass: um leitor agradecido!
Ps.: gostei dos versos. :)

Cevador de solidões disse...

O vento, sempre o vento. Faz jus ao nome.

Postar um comentário