sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

Quem sabe?

Com o ano se aproximando do fim, as nuvens não deixando o costumeiro sol de dezembro dar o ar do verão que se aproxima, digo minha despedida aos anos de colégio.
Nunca odiei a escola. Desde muito mais nova do que sou agora eu detestava faltar às tão desejadas aulas. Eu me sentia útil e não havia espaço para o tédio em meio às descobertas que eu fazia com os livros e com os professores. E no entanto, neste último ano, senti-me fatigada pelas cobranças que me parecem irracionais daqueles que algum dia já passaram por esta mesma fase, mas talvez não tão decepcionados como eu. Porque eu não queria me estressar com vestibulares ou notas, mas todos que outrora não se importavam com este tipo de idiotice passaram a falar apenas nisso, e eu me senti no meio de gente paranóica, sistemática e sem graça.
O que quero dizer é que eu nunca me senti tão cansada daquelas paredes, daqueles tão conhecidos rostos. Talvez minha vida pessoal tenha atrapalhado nesse sentido, mas a escola não era mais uma fuga da minha vida, era uma parte dela da qual eu queria fugir, de forma que fiquei meio sem rumo.
Mesmo entre meus amigos, senti-me muito sozinha. E na realidade, são meus novos amigos, ou seja, aqueles que fiz há dois míseros meses - mas que se tornaram surpreendentemente significativos - que fizeram com que este ano valesse a pena.
A forma como minha relação com dois professores em especial se estreitou também fizeram o ano ser, no final das contas, memorável - de forma positiva, obviamente.
No mais, encerro a escola decepcionada. Estou muito feliz por ter acabado, sentirei saudade deste tempo, mas não é com tristeza que saio de lá.
A perspectiva da faculdade não me assusta mais, e quem sabe daqui a uns anos eu não serei uma professora de história super doida?
Quem sabe?

2 comentários:

jefhcardoso disse...

Ana T., essa é a tal pressão de que todos falam. E quanto a escola, a tendência é o enfado passar e a saudade emergir. Mas cada um é cada um. Com você pode não rolar assim, é claro. Abraço e boa sorte! [sorrio]

Gostaria de lhe convidar para que comentasse o meu conto “Um Conto Natalino”. Ok?
http://jefhcardoso.blogspot.com de blog em blog.

“Para o legítimo sonhador não há sonho frustrado, mas sim sonho em curso” (Jefhcardoso)

Tainah Lunge disse...

Oi, Ana. :)
Sinto por talvez não poder ter feito teu ano melhor, nós nos aproximamos bastante só agora no fim. Tenho que dizer que te admiro muito e que não quero jamais deixar de conversar contigo.
É tudo muito natural quando estamos juntas, te agradeço por isso.

Beijos pra ti.

Postar um comentário