sexta-feira, 13 de agosto de 2010

#confições


Às vezes tenho medo de escrever. Medo de que quem não deveria leia e entenda.
Tenho medo de escrever. Medo de me escrever, de me expor inteira diante de olhos que não deveriam me ler.
Tenho medo de me traduzir àqueles que nem imaginam que eu seja outro idioma.
Você não me conhece e nem quer me conhecer.
Tenho observado as coisas ao meu redor, e parece que elas nunca estão relacionadas a mim. Parece-me que as pessoas não me vêem em primeiro plano.
E não há nada que me faça mover as coisas.
Estou num momento trancado dentro de minha própria mente. Estou trancafiada em meu próprio coração.
Então eu espero. Por todos vocês que não sabem o que fazem
Espero; por todos aqueles que têm medo de mim; de me ferir ou de por mim serem feridos.
Espero.
Não tenho poder sobre nada disso, é inútil. Nenhuma recionalização pode me tirar o poder da minha intuição e o que eu já nem sei se é verdade.
Porque a primeira vez em que as coisas começaram a fazer sentido...
Bem, estou divagando, apenas.
O fato é que eu não sei. E parece que por muito tempo vou ficar nesse estado de torpor.
Alguém, por favor, salve-me.