sábado, 24 de julho de 2010

Coisas velhas

Eu não tenho mais medo de admitir. Acho que isso não muda nada. Até porque isso nem me dói mais...

Terceira Casa

Desvendando teus enigmas,
compenetrada em teus traços,
perdidamente apaixonada,
profundamente insatisfeita.

O que queres aqui, ó, moreno lindo?
Arrastas tudo o que tenho com tua dor.
Daria tudo para não ter que ver isso de novo.

Tem dias que não leio teus pensamentos.
Há meses tua irregularidade acentuou-se,
e é aí que eu danço a tua dança
tu o metrônomo, eu a bailarina.

És compasso composto;
minhas mãos quase não acompanham o ritmo.
És composição complexa e impactante.

Há aquelas frases em que meus dedos escorregam
frágeis, vacilantes, débeis, fantasmas pelas teclas.
Não sei em que tom estou tocando,
e quase me perco em ti.

Então tua expressão muda,
as notas ficam mais suaves,
soam mais precisas, mas não em staccato.

Tu te viras em minha direção
e então eu sei o que vai acontecer.
Seguras minhas mãos,
depois, pousa as tuas em meu rosto.

É aí que me confundo.
É quando a noite me faz pensar e imaginar
é quando as cartas falam de um futuro cheio de amor.

Mas no outro dia, moreno, tu mudas novamente,
e é quando eu quase morro;
é quando eu sinto as lágrimas ardrem em meus olhos;
é quando eu ponho minha máscara e finjo, sem sucesso, não ligar.

Por que me testas, anjo, meu "anjo da música"?
Sou eu, afinal, como todos os outros seres,
aqueles que se apaixonam por ti e tu nem te importas?

Sinto-me como a menina ludibriada pelo lobo.
Sinto-me como a bailarina enfeitiçada pelo fantasma.
Sinto-me a rainha que sucumbe à conquista do cavaleiro.
Sou a Julieta que cai pelo Don Juan, achando que ele é Romeu.

Vai, vai embora. Sei que voltarás à mim.
Velarei tudo que for teu que permanecer comigo;
velarei tudo aquilo que permanecer de teu em mim.
Velarei a mim mesma, moreno.

E então serei teu anjo, sendo que tu nem perceberás.
Tuas paixões em meus ouvidos me fazendo sangrar
Tenho de ti o que queres me dar. Um dia isso bastará.

Êêê, lapsos momentâneos dos quais me arrependo em cinco minutos.

0 comentários:

Postar um comentário